sábado, 22 de dezembro de 2012

"Austeridade e Privilégios" no JN, por Marinho Pinto (bastonário da Ordem dos Advogados)


"Austeridade e privilégios"  no Jornal de Notícias.
Excertos:
«[...] O primeiro-ministro, se ainda possui alguma réstia de dignidade e de moralidade, tem de explicarpor que é que os magistrados continuam a não pagar impostos sobre uma parte significativa das suas retribuições; tem de explicar por que é que recebem mais de sete mil euros por ano como subsídio de habitação; tem de explicar por que é que essa remuneração está isenta de tributação, sobretudo quando o Governo aumenta asfixiantemente os impostos sobre o trabalho e se propõe cortar mais de mil milhões de euros nos apoios sociais, nomeadamente no subsídio de desemprego, no rendimento social de inserção, nos cheques-dentista para crianças e  pasme-se  no complemento solidário para idosos, ou seja, para aquelas pessoas que já não podem deslocar-se, alimentar-se nem fazer a sua higiene pessoal.

O primeiro-ministro terá também de explicar ao país por que é que os juízes e os procuradores do STJ, do STA, do Tribunal Constitucional e do Tribunal de Contas, além de todas aquelas regalias, ainda têm o privilégio de receber ajudas de custos (de montante igual ao recebido pelos membros do Governo) por cada dia em que vão aos respetivos tribunais, ou seja, aos seus locais de trabalho.

Se o não fizer, ficaremos todos, legitimamente, a suspeitar que o primeiro-ministro só mantém esses privilégios com o fito de, com eles, tentar comprar indulgências judiciais

quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

Refletir sobre o Natal de uma forma espiritual - a festa da família!



(imagem de:
salmaritimo.blogspot.com)
Li esta frase que me foi enviada por uma amiga...e concordo em absoluto com ela:

"Melhor do que todos os presentes por baixo da árvore de natal é a presença da minha família feliz."

Daí eu dedicar este poema de João Coelho dos Santos a quem ler este post:

Mulheres atarefadas
Tratam do bacalhau,
Do peru, das rabanadas.
-- Não esqueças o colorau,
O azeite e o bolo-rei!
- Está bem, eu sei!
- E as garrafas de vinho?
- Já vão a caminho!
- Oh mãe, estou pr'a ver
Que prendas vou ter.
Que prendas terei?
- Não sei, não sei...
Num qualquer lado,
Esquecido, abandonado,
O Deus-Menino
Murmura baixinho:
- Então e Eu,
Toda a gente Me esqueceu?
Senta-se a família
À volta da mesa.
Não há sinal da cruz,
Nem oração ou reza.
Tilintam copos e talheres.
Crianças, homens e mulheres
Em eufórico ambiente.
Lá fora tão frio,
Cá dentro tão quente!
Algures esquecido,
Ouve-se Jesus dorido:
- Então e Eu,
Toda a gente Me esqueceu?
Rasgam-se embrulhos,
Admiram-se as prendas,
Aumentam os barulhos
Com mais oferendas.
Amontoam-se sacos e papeis
Sem regras nem leis.
E Cristo Menino
A fazer beicinho:
- Então e Eu,
Toda a gente Me esqueceu?
O sono está a chegar.
Tantos restos por mesa e chão!
Cada um vai transportar
Bem-estar no coração.
A noite vai terminar
E o Menino, quase a chorar:
- Então e Eu,
Toda a gente Me esqueceu?
Foi a festa do Meu Natal
E, do princípio ao fim,
Quem se lembrou de Mim?
Não tive tecto nem afecto!
Em tudo, tudo, eu medito
E pergunto no fechar da luz:
- Foi este o Natal de Jesus?!!!

(João Coelho dos Santos
in Lágrima do Mar - 1996)

http://acolitos.carmelitas.pt/blog/?p=67

terça-feira, 18 de dezembro de 2012

Curiosidades interessantes...

Há dias, numa viagem entre Lisboa e Porto, acompanhando-a com a leitura de uma revista dos CTT aPOSTa (nº 110, outubro 2012), encontrei nela algumas curiosidades a propósito da IKEA, esse colosso que praticamente todos nós visitamos para a compra de grande variedade de produtos de casa.

A sigla IKEA significa Ingvar Kamprad Elmtaryd Agunnaryd: Ingvar Kamprad é o nome do seu criador e os dois últimos são os da quinta e da vila onde esse rapaz sonhador cresceu.

Cedo, este jovem compreendeu que podia ganhar dinheiro vendendo no dia-a-dia produtos necessários às pessoas; e quando conseguiu que o negócio se alargasse, começou a distribui-los de bicicleta (sementes, canetas, cartões de Natal...).

Iniciou a sua aventura com a venda de fósforos, mas depois sentiu que tinha de passar do sonho para uma outra realidade mais concreta - ao registo da marca IKEA "como um negócio de encomendas por correio". Foi em 1943 e tinha apenas 17 anos. 

Como já disse, vendia todo o tipo de artigos, evoluindo para a venda de móveis e decoração, a preços acessíveis a todos.

Em 1958 abriu a primeira loja IKEA, em Almhult, na Smaland, constando que os seus habitantes são pessoas conhecidas "pela tenacidade em ultrapassar os obstáculos quando se quer fazer algo que nunca foi feito".

Hoje, a IKEA está presente em 26 países, tendo aberto 287 lojas e contando com 131 mil colaboradores!

Passo a partilhar alguns items que achei interessantes:
  • o primeiro anúncio da IKEA foi publicado em 1945 com o título "esferográficas em grande quantidade"
  • a mesa LOVET foi o primeiro móvel a ser comercializado numa embalagem plana, em 1956. Foi do próprio designer a ideia de serem os clientes a montarem os móveis
  • o sofá KLIPPAN e a estante BILLY começaram a ser vendidos em 1979
  • o local favorito das crianças numa loja IKEA é o espaço infantil, conhecido por Smaland, que significa país pequeno, sendo também uma região no sudeste da Suécia, onde nasceu a IKEA

imagem obtida em:
http://obswhatsinstore.blogspot.pt/2012/10/ikea-to-sell-only-led-lighting.html

domingo, 16 de dezembro de 2012

Origem da palavra "patético"


Classificação morfossintática:

 Substantivo, masculino singular 
 Adjetivo, masculino singular 

Flexões da palavra Patético

Significados de Patético :

Por  (SP) em 30-05-2009
Idiota, impiedoso, Trouxa, Babaca. Forma de agir sem sentido.
Você é patético!
(Você é um idiota/estúpido/babaca)

Seu modo de agir foi patético!
(Seu modo de agir foi bobo/sem sentido/impiedoso)


Por  (SP) em 06-08-2009
1. que ou o que tem capacidade de provocar comoção emocional, produzindo um sentimento de piedade, compassiva ou sobranceira, tristeza, terror ou tragédia.

2. que ou o que traduz comoção emocional, piedade, pesar, terror ou tragédia.

Observação: é comum associar Patético com a palavra "pathetic", do Inglês. Porém essas possuem origens diferentes. Patético deriva de pathos, relacionado com o clímax na tragédia grega. A confusão existe porque os Ingleses deram outro significado a pathos que também está na origem da palavra paixão (sofrimento, amor, sofrimento por amor) que em seu tempo eram motivo de gozo as pessoas que sofriam pelo pathos, tavez conotadas, coloquialmente, como idiotas. (fonte: Wikipédia)

1. o patético de uma cena
2. gesto patético
patético de seu gesto
Por  (SP) em 17-07-2008
Pessoa ou ação capaz de comover a alma.

Acontecimento que pode nos fazer chorar por tristeza ou pena.

O filme "Romeu e Julieta" é a reprodução ideal de uma clássica história patética.

Encontrei aqui:  http://www.dicionarioinformal.com.br/pat%C3%A9tico/